Saiba quanto você paga em impostos no material escolar; caneta chega a 47%

Carga tributária dos itens obrigatórios em sala de aula é maior que 40% em sete produtos

Anunciada como oferta em uma loja de varejo na internet, uma caneta Bic da cor preta custa R$ 14,90 nesta terça-feira (7). Se estivesse livre de impostos, o mesmo produto poderia ser vendido por R$ 7,82, quase metade do preço original.

A caneta é campeã entre os materiais escolares mais taxados por impostos no Brasil, com 47,49% de carga tributária, como apontam dados do Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT). Em seguida vêm régua, borracha, apontador e agenda escolar.

Pelo menos sete dos produtos obrigatórios na lista das escolas são taxados em mais de 40% no Brasil. Para reduzir o peso dos tributos com educação, a Associação Brasileira dos Fabricantes e Importadores de Artigos Escolares (ABFIAE) informou que tenta emplacar um projeto de lei, junto ao Ministério da Educação, para a redução da carga tributária dos materiais escolares.

Enquanto isso não acontece, a solução é pesquisar: a diferença de preços dos materiais escolares pode chegar a 450% em um mesmo produto, conforme constatou em 2013 um levantamento feito pelo Procon-SP. Outra recomendação do órgão é preferir as lojas que oferecem descontos para compras em grandes quantidades.

Confira os 10 materiais escolares mais taxados por impostos, segundo o IBPT:
1º – CANETA: item é o que mais pesa em impostos, com taxação de 47,49% sobre seu preço final;
2º – RÉGUA: produto tem incidência de 44,46% em tributos;
3º – BORRACHA, APONTADOR E AGENDA: os três materiais empatam com 43,19% de impostos sobre seus preços;
4º – COLA TENAZ: a cada R$ 10 gastos com o produto, R$ 4,27 correspondem a impostos;
5º – ESTOJO DE LÁPIS: essencial na mochila dos estudantes, item é taxado em 40,33% no Brasil;
6º – LANCHEIRA: produto que transporta a merenda escolar tem 39,74% de seu preço em tributos;
7º – MOCHILA: o item obrigatório nas escolas é taxado em 39,62% sobre seu valor total;
8º – FICHÁRIO: o organizador de anotações tem peso de 39,38% em impostos para o brasileiro;
9º – PAPEL CARBONO: ainda utilizado em escolas e escritórios, o item é taxado em 38,68%;
10º – PAPEL SULFITE: a cada R$ 10 pagos com o material, R$ 3,77 correspondem a tributos.

Fonte: IG
Por: Taís Laporta
Veja aqui o link completo.